Coluna do Vale - Edição 25 01 2015

“Pessoas arrogantes são tão inseguras quanto a sua importância, que precisam humilhar outras pessoas pra que se sintam importantes.”
Junior Gouveia
QUAL A SUA IMPORTÂNCIA PARA O MUNDO?
Tem programas na televisão que nos fisgam literalmente. Começamos a assistir achando que não vai dar em nada e quando percebemos já estamos lá há quase uma hora e ainda queremos mais! Assim aconteceu comigo assistindo o episódio de Dercy de Verdade que a Rede Globo de Televisão exibiu na noite de quarta feira.
Não querendo entrar no mérito de todos os palavrões e cenas bizarras protagonizadas pela grande Dercy. Uma vez que não podemos julgar o ser humano que ela foi, pelo simples motivo de não a termos conhecido pessoalmente, nem convivido com ela. A mensagem do programa nos leva a refletir sobre nossas vidas.
Segundo a série, Dercy suportou durante muito tempo um marido que a traia, desviava dinheiro que ela ganhava com o suado trabalho nos palcos, para que a filha tivesse um pai, mesmo que adotivo, que a levasse ao altar no dia do casamento. Como o personagem afirma: Por causa de ser filha de Dercy Gonçalves, ela precisava ter pelo menos isso que a ligasse a uma vida normal, para que a família do namorado dela, não colocasse empecilhos para o relacionamento deles.
Estamos falando de uma época em que artistas eram considerados pessoas preguiçosas, que não gostavam de pegar no pesado, isso se fosse homem. Mulher eram todas profissionais do baixo meretrício mesmo!
Outra lição que o programa me passou foi como não somos nada! Dercy era a estrela da televisão daquela época, tendo um programa aos domingos, igual o Faustão tem hoje. A família brasileira passava o domingo tendo a Dercy em sua sala! E por causa da Ditadura Militar, a emissora de televisão simplesmente preferiu retirá-la do ar, não renovou o contrato. Em outras palavras ela foi jogada fora. Sugaram dela tudo o que podiam e jogaram o bagaço quando não servia para mais nada.
Assim tem acontecido hoje com Xuxa e tantos outros profissionais dos meios de comunicação. E se olharmos ao nosso redor, encontramos muitos exemplos assim. Enquanto o profissional tem o domínio, consegue produzir, a sociedade lhe dá valor. Se ele ficar doente, ou tiver a sua capacidade de trabalho reduzida por causa da idade, imediatamente é jogado na lata do lixo.

Como dizia o saudoso Padre Leo, de saudosa memória: O mundo gosta da gente, igualzinho gosta de papel higiênico. Após usar, muitos têm nojo do próprio!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 lembranças da minha época de escola